“Grandes Esperanças” – Guia de Leitura

Gwyneth Paltrow e Ethan Hawke em uma adaptação de “Grandes Esperanças”. Imagem: divulgação

Olá!

Depois de um grande jejum, minha doença me deu uma mini folga, ou talvez a quarentena pelo COVID tenha me feito surtar, já que eu sou triplamente qualificada como grupo de risco. De qualquer forma, descobri que havia esquecido de postar o Guia de leitura de “Grandes Esperanças”, peço desculpas e licença para enfim pôr as mãos à obra. Saudades de vocês! Vamos ao livro!

 

  • A primeira observação  é sobre a estirpe do autor. Ele é um dos grandes nomes da literatura inglesa. Sua importância e influência são como a de Shakespeare, a de Chaucer e etc. Então, antes de dar uma olhadinha no livro, ou durante sua leitura, recomento veementemente uma pesquisa sobre a vida e obra do autor. Acredite, vai te ajudar muito obter estas informações, pois você vai estar melhor situado quanto ao cânone da literatura inglesa e acrescentará tanto à sua vivência intelectual,como a sua visão de mundo. Não custa nada gente! Não fique só na orelha do livro. Charles Dickens é importante para humanidade inteira, não apenas por ser nome central da literatura em língua inglesa, a língua da nossa era. A grandeza da sua obra faz com que, em tese, ele deva ser um território a ser possuído por cada um de nós, então mergulhe em ambos, o autor e sua obra.

 

  • Prepare-se para doses generosas de glicose, e muitos clichês românticos. Isto não desmerece o autor e falando francamente, faz parte da literatura, do humano e de nossas vidas. São o refúgio das coincidências bem, ou mal, fadadas da vida que a ficção oferece. O refúgio tem vida própria. Cura, cresce, adiciona e nos faz superar dificuldades, bloqueios, frustrações e preconceitos. Por mais que você seja uma criatura cerebral ou descrente, se você já chegou a este texto é porque descobriu que querendo ou não, o sonho, o romance, a esperança, a fé, o bem, e o amor fazem parte da vida. Não resista e nem os desdenhe, assim como não o faça com este livro. Deixa rolar, a vida é uma só mesmo. Só deixe acontecer. Vem glicose!

 

  • Preste atenção na complexidade de alguns personagens deste livro, Eles são um espetáculo à parte, uma fonte inesgotável de artigos e estudos sobre a natureza humana. Não deixe de contemplá-los.

 

  • O livro é fácil e com estrutura convencional, não possui aquelas pirotecnias que hoje são usadas para disfarçar a pobreza de certas obras.

 

Estas são as minhas observações, Boa Leitura!

 

 

 

”Grandes Esperanças” – Relatório de leitura

24

A imagem veio daqui.

Como foi gostoso de ler! Claro que dada a minha doença, para a qual este livro foi uma distração agradável, já era de se esperar. Não posso esquecer que o anterior foi “Berlin Alexanderplatz”, então qualquer coisa depois seria obviamente mais leve.

Penso que neste caso o dilema de assistir ou não a alguma das suas adaptações cinematográficas é indiferente, pois a leitura é um prazer à parte. Mesmo porque nenhuma é totalmente fiel à fonte. Sempre existe uma diferençazinha aqui e outra ali. Ou seja, os filmes não são spoiler do livro.

Na trama existem clichês. Tem “a pobre menina rica”, o “rapaz pobre que se apaixona pela menina rica”, a irmã que funciona como “madrasta malvada”, o órfão e finalmente a “fada madrinha”. Nada disso me incomodou, porque quando percebi que seria assim, decidi mergulhar totalmente na história e comprar todas as suas premissas.

O vocabulário é simples, então não precisa ler com um dicionário do lado. E além de não ser rebuscado, não é longo. Não encontrei grandes dificuldades durante a leitura. É um livro fácil com uma história simples. E só!

“Lolita” – Nota de Início

Sue Lyon e James Mason na adaptação de 1962 de Stanley Kubrick – Lolita | Warner Bros

 

Taí um livro que suscita polêmica: “Lolita” de Vladmir Nabokov.

E o que mais sei sobre o livro além da polêmica?  Bom, sei que Nabokov era um exilado russo,  que possuía origens nobres. Era culto, de família bem relacionada, a qual penou bastante com revolução de 1917 e suas repercussões.

Contudo, não posso me esquecer de um detalhe bastante importante: dizem que ele domina a escrita em língua inglesa como poucos.

Polêmicas à parte, justamente por ser um romance que possui um tema tão controverso, imagino que deva se tratar de um livro muuuuuito bom.

Deve ser extremamente bem escrito, caso contrário, duvido muito que uma história que aborda as memórias de um pedófilo tornaria-se um clássico tão necessário quanto esse.

Qual será a mágica de Nabokov? Estou prestes a descobrir…

”Grandes Esperanças” – Nota de Conclusão

Fazia tempo que eu não lia uma história assim, bem estilo novelão. Romântica até o fim!

Devo confessar que “Grandes Esperanças” foi uma lufada de ar fresco depois de “Berlin Alexanderplatz”, o que tornou a leitura bem mais prazerosa.

Entretanto, por não estar mais habituada com este tipo de literatura, algumas reviravoltas da trama me soaram “amexicanadas” demais, difíceis de engolir, mas mesmo assim a história continua boa.

Acho que uma das coisas mais interessantes sobre o livro é a vingança que um dos personagens planeja contra o sexo masculino, a qual eu não posso comentar sem dar spoiler, então voltarei a ela mais tarde.

Fora isto, preciso comentar que terminei este livro muito rápido. Acho que a leveza do tema, bem como a clareza e universalidade do texto de Dickens cooperaram para isto, uma vez que trata-se de uma obra bem mais antiga que a de Döblin.

Sem mais delongas, posso dizer que a leitura deste livro foi ultra prazerosa. Só me fez bem!

“Grandes Esperanças” – Nota de Início

Vamos para uma leitura mais leve do que “Berlin Alexanderplatz”? Que tal algo mais romântico? Escolhi “Grandes Esperanças” de Charles Dickens.

Dickens é um gigante da literatura em língua inglesa. Estou ansiosa para conhecer o livro, pois já assisti ao filme, o qual aliás possui infindáveis adaptações.

Eu sou fã desta que ilustra o post. Ela é dos anos 90 e foi dirigida por Alfono Cuarón. Eu adoro a forma como ele trabalha a fotografia com variados tons de verde. Só a imagem já me desperta boas lembranças.

 

Vou aproveitar a chuva, levantar, me servir de uma xícara de chá e mergulhar em mais uma grande e imortal história de amor.