“A morte de Ivan Ilitch” – Relatório de Leitura

Duvido que alguém chegue a ter problemas com este livro, pois pelo menos para mim a leitura foi fluida, embora algumas vezes a linguagem fosse rebuscada.

Creio que a tradução faz com que este tipo de coisa seja amenizada ou acentuada. No caso, a minha era da década de 70, por isso dei várias “empacadas” durante a leitura.  Nada que comprometesse o entendimento do texto, entretanto, a clareza do mesmo não foi de 100%, pois minha versão foi bem datada trazendo expressões linguísticas que há muito saíram de uso corrente.

Outra coisa que vale salientar, é o tamanho da obra: trata-se de um livro muito pequeno, não se leva tanto tempo para ler. Por ter poucas páginas, seu tamanho reduzido faz com que seja fácil carregá-lo pra cima e pra baixo e isto facilita a leitura.

Eu o lia sempre que encontrava oportunidade, o que me permitiu relaxar, e encarar o livro não com o peso de ser uma “obra de Tolstói”, mas com o prazer de ser o meu companheiro nos intervalos do dia-a-dia.

“A morte de Ivan Ilitch” – Liev Tolstói

Aqui você encontra todos os textos sobre a obra em questão:

Nota de Início – Impressões e considerações pré-leitura.

Nota de Conclusão – Impressões e considerações pós-leitura.

Relatório de Leitura – Um diário de leitura, com as dificuldades e particularidades da leitura de cada livro. O meu dia-a-dia com o livro e com a experiência de sua leitura.

Guia de Leitura – Dicas para facilitar a leitura, o entendimento da trama, e a melhor assimilação da obra.

“A morte de Ivan Ilitch” – Nota de Conclusão

A imagem veio daqui.

Lido.

Enfim, a primeira coisa que eu posso dizer sobre o livro, foi que não me identifiquei com o protagonista. Sou diferente de Ivan Ilich, não faria as escolhas que ele fez.

Inclusive para mim foi difícil internalizar o conflito do personagem, conseguir entender a leveza das suas atitudes, de certa forma, ele me irritou um pouco.

Fora isso, o texto de Tolstói é ótimo. A habilidade dele de dar profundidade à cena e construir diferentes camadas a cada passagem é fantástica.

Não tive problemas em ler o livro, que, diga-se de passagem, é bem pequeno. Tolstói foi direto ao ponto e não enrolou. A velocidade de leitura correu a contento. Fiquei satisfeita com a estrutura e o desenrolar da história. O livro é uma jóia. É curto, valioso, e esteticamente interessante. Gostei da proposta e da desenvoltura do autor ao trabalhá-la.

“A morte de Ivan Ilitch” – Nota de Início

Antes de qualquer coisa vale fazer uma ressalva: o livro mencionado na lista do The Guardian/Clube do Livro da Noruega possui uma constituição diferente das disponíveis no Brasil. Naquele volume ele inclui vários contos alguns pouco publicados no Brasil. Portanto, se você espera ler o mesmo exemplar, desista. Para termos idéia do conteúdo eleito como essencial pelo júri, é necessária uma gambiarra. Primeiro saber os contos, ver o que existe disponível no Brasil e depois procurar o que falta pela internet.

Pretendo fazer uso do site Domínio Público, que dispõem de todos os itens. O ponto negativo é que as obras estão em inglês, mas de fato não encontrei outra saída. Quanto à parte dos contos, confesso que não sou uma conhecedora profunda dessa parte da obra de Tolstói, e pelo levantamento que já fiz, desconheço uma boa parte deles. Estou louca para conhecer!

Já o carro-chefe, “A morte de Ivan Ilich”, já o li na época de faculdade, por isso não chega a ser uma novidade. Posso dizer que é um livro curto. Lembro de tê-lo lido com facilidade, mas como passaram-se muitos anos, existem lacunas abertas, e assim como com “Ana Karenina”, quero saber se o livro que eu lembro, é o mesmo que eu li.

Minhas conclusões vão ser as mesmas? Minhas passagens favoritas também? O que a memória fez questão de esquecer? E o mais importante: o que permanece vivo em mim, pois ela fez questão de guardar?

Tolstói e o ponto de vista canino.

A sensibilidade de Tolstói é notória, bem como seu amor pela vida no interior, pelo contato e harmonia com a natureza. Tanto o é que não surpreende a sua decisão em mudar para o campo. Optar por uma vida simples, sem o glamour de grande escritor reconhecido e aclamado, e acabar por ser um dos inspiradores do movimento de não violência.

perdigueiro-em-acao-de-caca

Algumas passagens de sua vida são pouco conhecidas. Antes de escrever “Ana Karenina”, em 1866, ele fundou uma escola no campo, a fim de atender às crianças das redondezas. Aplicou teorias educacionais diferentes das de então, sendo influenciado por Russeau.

745px-Tolstoi_avec_ses_petits-enfants

Tolstoi e crianças/ Fonte da imagem

Nesta época escreveu para os filhos de camponeses que frequentavam sua escola, diversos contos que incorporou às leituras escolares. Entre as melhores histórias estavam as sobre seus cães, Bulka e Milton (Se tiver curiosidade, você pode conferir “As histórias de Bulka”, livro lançado há alguns anos pela editora 34). Essa semente, essa percepção da vivência animal, não pára por aí e aprimora-se com os anos.

Passa despercebido na maioria das resenhas e comentários que escuto de “Ana Karenina”, um capítulo do romance em que Tolstói altera o foco da ação, e os personagens na caçada cedem lugar a Laska, a cachorra de Liêvin que ganha destaque.

historias-de-bulka-lev-tolstoi-8573263717_200x200-PU6eb48d23_1

Edição brasileira de “Histórias de Bulka”.

Os humanos estão lá, mas num segundo plano sem graça, e o que vemos durante estas páginas é a vida interior do cachorro. Seus raciocínios, pensamentos e sufocos em comunicar-se com seu dono. Ajudá-lo a entender as suas orientações e conselhos para uma empreitada bem sucedida.

Laska está nervosa, Laska discorda, Laska manipula, Laska critica. Laska é um personagem tão importante quanto qualquer outro.

É uma surpresa grata em meio à leitura, essa presença canina. Mais sensível, significativa, e rica do que todos easter egs, das Dineys, Pixar e Dreamworks da vida.

“Ana Karenina” – Guia de Leitura

ana vai

Foram páginas e páginas. Um livro denso sem dúvida, e também um clássico. Enquanto pensava em como fazer este guia de leitura, pensei em ser muito sucinta. Vocês sabem que eu sou adepta do: “Leia e veja no que dá. Apenas leia e a obra fará o seu trabalho”. Entretanto, como se trata de um livro relevante, resolvi ser um tantinho mais minuciosa. Divido esse Guia em tópicos e diferentes perfis. Espero que cumpra o seu intuito e auxilie os que pretendem ler este trabalho sem igual de Tolstói.

  • Se seu vocabulário não é tão amplo, não tenha medo ou vergonha de usar um dicionário. O mais importante é ler!
  • Aconselho a comprar este livro. Ele é essencial para qualquer biblioteca, bem como seu prestígio é eterno. Vale o investimento.
  • O texto de Tolstói é bem simples. Ele não viaja muito. Não faz frases gigantescas e não costuma enrolar. A trama, essa sim, costuma ser mais complexa. Ela não é difícil, só que possui muitas ligações entre os personagens durante o texto. Ele faz várias histórias em uma só. É muito rico.
  • Preste atenção às traduções. Algumas que têm como alvo o público adolescente ou jovem, são mais fluidas e modernas. Outras são para os amantes da literatura, são mais preciosas, artísticas e universais. Existe também grande variedade de preços. Pese os prós e os contras antes de adquirir seu exemplar. Caso só haja uma edição disponível, não pestaneje e vá nela mesmo!
  • Se você costuma ler com certa frequência, leia sem medo. Agora, se você é um iniciante, não lê nunca e não tem intimidade com literatura, desfrute-o com cuidado, atenção e carinho, pois algumas passagens importantes podem passar despercebidas para quem não está acostumado. Se você for um estudante e além de conhecer a obra quer um verniz, ou uma adição intelectual para si, aconselho a ler um ou dois contos de Tolstói antes do livro, existem vários pela internet, e assim você vai se aclimatizar com o texto dele. Se a sua curiosidade e segurança estão em dia, mesmo que você não seja um leitor contumaz, e tudo o que você quer é conhecê-lo. Eu te digo para ler sem medo, e desfrutá-lo com vontade.
  • Você encontrará várias grafias tanto do título do livro, como do nome do autor. É tudo uma questão de tradução. Prefira as que são diretas do Russo e que obedecem as normas de transliteração do Russo para o Português. É Tolstói, e não Tolstoy. Leão, Leon ou Liev, são as traduções corretas do nome do escritor. Se seu objetivo não é o de tornar-se um conhecedor, isto provavelmente não fará tanta diferença. Folheie e veja qual mais te apetece.
  • Entre os círculos mais cultos, as editoras mais indicadas (na verdade as únicas que eles consideram) são: 34, Cosac Naify, Hedra, Kalinka e Amarilys.

Estas foram as minhas considerações e ressalvas. Desejo a todos vocês uma boa leitura!

“Ana Karenina” – Relatório de Leitura

IMG_0078pierce2

Quando eu era pequena meus pais possuíam um exemplar de “Ana Karenina” que eu namorei na estante até ter idade suficiente (segundo a minha mãe) para ler, e o li. Agora, anos depois, quando fui repetir a dose para o blog, descobri que ela havia se desfeito dele. Como trabalho com arte, penso ser uma responsabilidade começar a manter uma boa biblioteca. Desta forma, justificando perante mim mesma, cheguei a conclusão de que este era um livro que eu precisava ter. Ter e não emprestar. Então tirei um tempo, antes de viajar no final do ano, para ir até a livraria cultura e adquirir ou encomendar um exemplar.  E mais uma vez dei com os burros n’água. Não sei se você que lê este texto agora, acompanha meu blog. Se acompanha já percebeu que encontrar um exemplar é sempre uma calamidade. Luto contra falta de estoque, alergias causadas pela má conservação dos livros disponíveis na biblioteca, entre outras coisas.

O prazer de ler realmente é uma luta. O Brasil é um país com um baixíssimo índice de leitura per capta. Se todos que resolvem abrir um clássico batem-se tanto quanto eu, não me espanta este índice permanecer sempre em patamar irrisório.

Viajei no dia seguinte e acabei não verificando as outras livrarias. Quando cheguei em Camboriú para passar o réveillon fui a primeira livraria que encontrei. Já estava quase acabando o outro livro e perspectiva de ficar com tempo de sobra e ler outras coisas fora da lista não me agradava em nada. Arrastei meu namorado junto e o livreiro me disse a mesma coisa que eu já havia ouvido em Curitiba, e mais. Disse que faziam uns dois anos que este livro não recebia novas edições e que ele mesmo havia feito um pedido e a editora dito não ter mais exemplares disponíveis em estoque.

Perguntei por outras livrarias e ele disse só haverem mais duas na cidade. Não sei se o fez de má fé, porque logo depois quando cheguei na segunda fui informada de que haviam cinco livrarias ao todo e três sebos na cidade. Confiei na informação deste segundo livreiro que me aconselhou a procurar em sebos. Começou a chover e mesmo com os protestos do meu namorado fui até o único sebo que poderia ir sem carro:

-Pára com isso Rafa! Você não vai encontrar este livro.

-Vou sim! Ele tá lá! Eu sinto e tenho certeza.

A chuva começou. Canivetes com gosto de sal. Um horda de turistas argentinos na direção contrária e eu correndo de sandálias atrás do meu Tolstói. E eu estava certa. Ele estava lá. Perguntei para a atendente que confirmou pelo computador. Fui até a estante indicada, a única possível, e encontrei-o. Lindo! Uma edição realmente caprichada. Capa dura e jeito de livro antigo. Fiquei tão apaixonada pelos desenhos da capa que os usei para ilustrar quase todos os posts sobre o livro. Não me preocupo, loucura por livros é altamente saudável. Assim falou Rafatustra.

O meu exemplar pertence a mesma coleção do “A Educação Sentimental”. É da editora Abril e tem um jeito de biblioteca familiar de antigamente. Contudo, tenho algumas poucas críticas a fazer. Dois erros de português e três de digitação (o que eu acho inadmissível para uma edição tão luxuosa). Fora isso, eu substituiria algumas palavras exageradamente rebuscadas que atrapalharam a fluência do livro, e só.

De qualquer forma o papel era excelente, mas o tamanho era bem inadequado para levar e ler na praia. A solução que eu encontrei foi levar minha espreguiçadeira no final da tarde, quando não havia mais sol forte ou necessidade de guarda sol. Lia naquele momento em que a luz se esfacelava, pouco antes de começar o poente, e mantive o livro sempre dentro de um saco plástico quando não o lia. Tive uma semana linda com estes momentos. O cheiro de mar, o sol e Tolstoi. Foi uma experiência agradabilíssima, só faltou Nina Simone cantando “Here comes the sun”. Lei do silêncio…tsc, tsc, tsc.