“Grandes Esperanças” – Guia de Leitura

Gwyneth Paltrow e Ethan Hawke em uma adaptação de “Grandes Esperanças”. Imagem: divulgação

Olá!

Depois de um grande jejum, minha doença me deu uma mini folga, ou talvez a quarentena pelo COVID tenha me feito surtar, já que eu sou triplamente qualificada como grupo de risco. De qualquer forma, descobri que havia esquecido de postar o Guia de leitura de “Grandes Esperanças”, peço desculpas e licença para enfim pôr as mãos à obra. Saudades de vocês! Vamos ao livro!

 

  • A primeira observação  é sobre a estirpe do autor. Ele é um dos grandes nomes da literatura inglesa. Sua importância e influência são como a de Shakespeare, a de Chaucer e etc. Então, antes de dar uma olhadinha no livro, ou durante sua leitura, recomento veementemente uma pesquisa sobre a vida e obra do autor. Acredite, vai te ajudar muito obter estas informações, pois você vai estar melhor situado quanto ao cânone da literatura inglesa e acrescentará tanto à sua vivência intelectual,como a sua visão de mundo. Não custa nada gente! Não fique só na orelha do livro. Charles Dickens é importante para humanidade inteira, não apenas por ser nome central da literatura em língua inglesa, a língua da nossa era. A grandeza da sua obra faz com que, em tese, ele deva ser um território a ser possuído por cada um de nós, então mergulhe em ambos, o autor e sua obra.

 

  • Prepare-se para doses generosas de glicose, e muitos clichês românticos. Isto não desmerece o autor e falando francamente, faz parte da literatura, do humano e de nossas vidas. São o refúgio das coincidências bem, ou mal, fadadas da vida que a ficção oferece. O refúgio tem vida própria. Cura, cresce, adiciona e nos faz superar dificuldades, bloqueios, frustrações e preconceitos. Por mais que você seja uma criatura cerebral ou descrente, se você já chegou a este texto é porque descobriu que querendo ou não, o sonho, o romance, a esperança, a fé, o bem, e o amor fazem parte da vida. Não resista e nem os desdenhe, assim como não o faça com este livro. Deixa rolar, a vida é uma só mesmo. Só deixe acontecer. Vem glicose!

 

  • Preste atenção na complexidade de alguns personagens deste livro, Eles são um espetáculo à parte, uma fonte inesgotável de artigos e estudos sobre a natureza humana. Não deixe de contemplá-los.

 

  • O livro é fácil e com estrutura convencional, não possui aquelas pirotecnias que hoje são usadas para disfarçar a pobreza de certas obras.

 

Estas são as minhas observações, Boa Leitura!

 

 

 

Quando Fernando Pessoa fez a Coca-cola ser proibida em Portugal.

pessoacola3

Se não tivesse entrado para história como um dos maiores poetas em língua portuguesa, Fernando Pessoa ainda assim talvez tivesse assegurado seu lugar na posteridade como um dos piores casos de fracasso no meio publicitário mundial.

Estima-se que a parte do Livro do desassossego creditada a Bernardo Soares tenha sido escrita entre a segunda metade da década de 20 e durante os 30. Foi nesta época que o poeta entregou-se a um empreendimento ousado na época. Junto com seu amigo Manuel Martins da Hora fundou a primeira agência de publicidade de Portugal, a Empresa Nacional de Publicidade. Segundo consta, foi o próprio Pessoa quem deu entrada na papelada do negócio.

A publicidade ainda engatinhava naquele tempo em comparação a hoje em dia. Para abrir o negócio contavam com o capital social da empresa americana General Motors, mas a parceria acabou não vingando. Mesmo assim, tempos depois Manuel Martins conseguiu tornar-se o representante português da agência internacional de publicidade John Walter Thompson e manteve Pessoa como colaborador.

Em 1928, Carlos Eugênio de Almeida, chefe de Fernando, tornou-se o agente português da conta da Coca-Cola na JWT, e encarregou o poeta de criar a primeira propaganda da marca. Para tanto Pessoa criou o primeiro slogan da marca: “Primeiro estranha-se. Depois, entranha-se”.

Todavia o Diretor de Saúde de Lisboa, o médico e professor Dr. Ricardo Jorge não aprovou a ousadia do trocadilho do poeta, o qual considerou uma descrição perfeita do modo como o organismo se viciava em drogas.

Para ele o slogan pessoano expressava uma alusão à toxicidade do derivado de coca, ou seja, fazia apologia às drogas. Ele ficou tão alarmado que não apenas ordenou o confisco imediato do produto, como mandou atirar tudo ao mar, e proibiu totalmente a introdução do produto no mercado português.

A proibição vigorou por décadas e foi apenas em 1977, quase cinquenta anos depois que a Coca-Cola teve enfim o seu debut em terras lusas. Mas a essas alturas o malfadado slogan de Pessoa já havia sido totalmente esquecido.