A importância do tradutor ou para Bárbara Heliodora

1428673777561

Falecida hoje, Bárbara Heliodora, além de crítica teatral também atuava como tradutora. / Fonte da imagem

 

O tradutor é antes de tudo um artista. Alguém que se deixa ficar na penumbra para que grandes obras tenham o destaque que merecem. Destaque este que ajudaram a evidenciar.

A figura do tradutor ganha cada vez mais evidência no Brasil, embora isto aconteça com relativa timidez por parte do mercado editorial.

Sim, é evidente que o mercado teve uma evolução e encontramos investimentos na melhora geral das edições. Inclusive as traduções, que alcançam algum brilho. Um sinal dos tempos em que os livros ficaram mais atraentes, pois tem a concorrência inequívoca e direta da internet.

“Uma das coisas às quais você deve prestar atenção ao comprar um livro é na tradução”. Você já deve ter ouvido esta frase varias vezes, mas talvez não tenha se dado conta de que expressa uma verdade fundamental, seja você apreciador de literatura ou leitor de ocasião. Assim como esta existem outras máximas tais como: “Não se pode traduzir poesia”.

O fato é que entre a maioria dos títulos à disposição no mercado se dá o fenômeno contrário. Primeiro deve-se levar em consideração que a maioria dos títulos à venda são traduções. Você encontrará sim, uma infinidade de livros de poesia estrangeira, e em grande parte do material disponível, tanto poesia como prosa, o realce no papel do tradutor é diminuto.

Outra vez, antes de falar do papel do tradutor, cabe aqui uma caracterização que deve ser referendada. A diferença entre a tradução técnica e a literária.

Machado-008

Além de escritor Machado de Assis também atuou como tradutor.

A tradução técnica é aquela que se destina a transpor a barreira do idioma e transcrever o que foi escrito de um idioma para outro. Parte da língua-fonte (idioma estrangeiro) para a língua meta (idioma para o qual se pretende traduzir). O tradutor deve possuir conhecimento da área a que se refere o texto a ser traduzido tais como mecânica, engenharia, moda, filosofia e etc. Pois além da tradução propriamente dita, faz uma aclimatização, uma transposição do conteúdo para a realidade de quem lê.

A tradução literária, por outro lado é um exercício de intensa proximidade do tradutor com o autor e seu idioma. Sua missão é não apenas a de traduzir a obra, mas a de deixar o escritor se exprimir em outra língua. Cabe reflexão, estudo, pesquisa e, sobretudo, sensibilidade, para permitir ao leitor algo o mais próximo possível da experiência de ler determinado autor como se tivesse fluência em sua língua.

Grandes nomes da literatura nacional também atuaram como tradutores. Dizem que o trabalho de tradução proporciona ao escritor uma outra aproximação com o texto. Amplia a sua visão, sua capacidade argumentativa e aprimora sua estrutura textual. Para quem se dedica à escrita, traduzir o trabalho de outro escritor é como dar uma espiada em sua mente e por alguns momentos raciocinar como ele. Estar em sua pele.

No Brasil, os tradutores estão reunidos em dezenas de associações que buscam ampliar e regulamentar o mercado brasileiro. Associações tais como a SINTRA (Sindicado nacional dos Tradutores) e a ABRATES (Associação Brasileira de Tradutores e Interpretes).

Muito do pouco burburinho que o trabalho de tradução encontra no Brasil se deve ao fato de que a maioria das pessoas desconhece a amplitude e importância do mesmo. Para tanto, digo que é necessário se colocar no lugar do tradutor, o que vem a ser uma experiência de contato direto com a obra e a força criadora que a produziu, a qual, dependendo da profundidade não se dissipa com facilidade.

Na próxima vez em que ler uma tradução, preste atenção ao trabalho deste profissional. Conheça mais de uma versão da mesma obra, se possível confira o livro no original, e principalmente quando estiver em frente a uma tradução magnífica, elogie, indique e sinta-se grato.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Fonte das Imagens:

Luís Fernando VeríssimoMillôr Fernandes, Mário Quintana, João Ubaldo Ribeiro, Paulo Leminski, Ferreira Gullar, Haroldo de Campos, Manoel Bandeira, Bárbara Heliodora.

5 comentários sobre “A importância do tradutor ou para Bárbara Heliodora

    • Obrigada pelo comentário! Foi exatamente o que eu busquei fazer, pesquisei bastante. Tive dificuldade em encontrar um tradutor para entrevistar, e as melhores informações (pasmem!) achei de uma entrevista com um alemão que traduz obras do inglês. Desculpe por aproveitar a deixa, mas você conhece alguém que trabalhe com tradução para me indicar? Seu comentário fez o meu dia! 🙂

      Curtir

    • Olá Lineimar!
      Desculpe a demora em responder, estive meio corrida nos últimos dias. Primeiro quero dizer que a sua atitude me comoveu muito. Fiquei imensamente feliz! Isso significa que meu intuito ao escrever o texto e o blog, de aproximar as pessoas dos clássicos, promover a leitura e formar leitores mais conscientes, tem se cumprido. Em uma escala pequena, é verdade, mas um dia chegarei lá.
      O seu texto, vindo de uma tradutora que esbarrou com o meu trabalho por acaso, foi um presente.
      A sensibilidade do seu relato me tocou. Espero que o seu trabalho e o de todos os outros, encontre num país futuro o reconhecimento que merecem. E o terão se depender de mim.
      Grande Abraço!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s